Monte de Adoração

Paulo Moral & Cecília Moral

PQGP 42 – A Ética Pessoal dos Profetas – Introdução

A ÉTICA PESSOAL DOS PROFETAS

O profeta de hoje não é mais aquela figura icônica do Velho Testamento. Na Nova Aliança em Cristo Jesus não é mais assim. Hoje, o profeta ou líder que arroga essa identidade icônica e inquestionável, como fosse um muro de bronze rijo e inatingível, do Velho Testamento, ou é infantil de mais para entender esse ofício na Nova Aliança, ou entenebreceu o entendimento na própria vaidade ministerial, ou tornou-se insano, esquizofrênico, refém da própria rejeição, e construiu um totem para sustentar sua fraca identidade ministerial, ou é um pseudo profeta ou pseudo líder.

A respeito desse assunto, te convido a ler mais um texto do Pr. Isaltino G. C. Filho.

Os capítulos serão:

-Introdução sobre a Ética Pessoal dos Profetas

  1. A ÉTICA PESSOAL DO PROFETA BÍBLICO REVELAVA UMA ABSOLUTA AUSÊNCIA DE GANÂNCIA MATERIAL
  2. A ÉTICA PESSOAL DO PROFETA BÍBLICO REVELAVA UMA ABSOLUTA LEALDADE À PALAVRA DE DEUS
  3. A ÉTICA PESSOAL DO PROFETA BÍBLICO REVELAVA UMA ABSOLUTA NÃO CONFORMIDADE AO ERRO

-Conclusão do Estudo

Boa leitura.

Palestra preparada pelo Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho para a FATECH (Faculdade de Teologia e Ciências Humanas, de Macapá), e apresentada em 2.12.12, na 8ª. Semana Teológica “Religião e política na crise da civilização contemporânea”

Houve um tempo em que todo mundo queria ser profeta, ou se arrogava “voz profética”. Era uma maneira de dizer o que queria, e, por mais deseducado que fosse, sua desculpa era que estava agindo como profeta. Eu também agi assim. No púlpito de uma das igrejas em que servi, coloquei um cartazinho para mim mesmo: “Vive o Senhor que o que o Senhor me disser, isso falarei”, citando Micaías, quando instado a dizer coisas boas ao rei Acabe. Mais tarde preguei em uma igreja onde o pastor pusera outro pequeno letreiro no púlpito: “Não mais eu, mas Cristo”, citando Paulo. Achei o dele melhor que o meu.

Esta atitude reflete o conceito que muitos fazem: o profeta é um sujeito emburrado, de mal com a vida, deblaterando contra todo mundo. E muitos confundem, no Brasil, inspiração com psicografia espírita, em que o pregador é possuído por uma entidade, no caso, o Espírito Santo, e diz o que quer e ninguém pode contestá-lo. Ele se torna um oráculo sagrado de Iahweh. Não é assim. Paulo foi bem preciso, em 1Coríntios 14.32: “Pois os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas”. O profeta de hoje não é um possesso e está em perfeito domínio de sua mente e é responsável pelos seus conceitos. Se falar tolice deve ser contestado. Se falar contra a Palavra de Deus deve ser rechaçado.

O que é um profeta? Um sujeito barbudo, de manto esvoaçante, um cajado na mão e palavras de repreensão na boca? Embora este quadro seja mais caricatura que outra coisa, faz parte, mas não é a totalidade do que seja um profeta. É um adivinhador ou um prognosticador da vida alheia, dizendo com quem as pessoas devem se casar, que negócio deve fazer? Gente que não sabe gerir sua própria vida se sente bem com um líder assim, que toma decisões em seu lugar. Mas tais pessoas têm alguma patologia emocional, e um profeta é mais que isso.

Não me deterei em definições de profeta e profecia porque isto está em outro contexto. Desta maneira, usarei o termo não dentro de definições semânticas, mas no sentido do líder contemporâneo. Atribuirei o termo ao líder de uma comunidade cristã, tenha o título que tiver. Se é alguém que fala ao povo de Deus como orientador espiritual está nesta categoria. Mas, tendo que falar sobre a ética dos profetas, quero, nesta palestra, abordar um aspecto que tem sido, convenientemente, esquecido por muita gente e por muitos profetas e pastores contemporâneos. Falarei primeiro da ética pessoal do profeta. É fácil dizer como os outros devem viver. Quero falar sobre como o profeta deve viver. Como eu, que sou um profeta de Deus ao mundo e à igreja de Cristo, devo viver. Porque os profetas eram regidos por uma profunda ética pessoal. Esta é uma das maiores carências da igreja de Cristo: ética. A igreja tem sido tão mundana ou mais mundana que o mundo. Quando Rafael pintava os afrescos do Vaticano, alguns cardeais pararam para ver seu trabalho e um deles comentou: “O rosto do apóstolo Paulo está vermelho demais”. Rafael respondeu: “Ele cora ao ver nas mãos de quem está a igreja” [1]. Agora deve estar ardendo!

Sobre esta questão de ética pessoal do profeta, efetuo três observações sobre a conduta pessoal do profeta bíblico e afirmo que elas precisam ser encontradas nos que pretendem ser profetas de hoje.

1. A ÉTICA PESSOAL DO PROFETA BÍBLICO REVELAVA UMA ABSOLUTA AUSÊNCIA DE GANÂNCIA MATERIAL (próximo artigo)

Anúncios

28 de março de 2012 - Posted by | Kerigma

4 Comentários »

  1. Muito bom…muito bom, você poderia me enviar os 3 ítens ou todos os ítens. Um forte abraço.

    Comentário por wassil mogone | 28 de março de 2012 | Responder

    • Obrigado Wassil. Pensei mesmo em mandar a apostila inteira para vc. Farei isso. Abraços.

      Comentário por Paulo Moral | 28 de março de 2012 | Responder

  2. MUITO BOM, QUE VENHA O PROXIMO ARTIGO!!!

    Comentário por oscar | 28 de março de 2012 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: